Estilo

Quem é que nunca ouviu dizer que o óleo de coco é maravilhoso para:

-a pele?

-clarear os dentes?

-prevenir alzheimer e doenças do coração?

-emagrecer?

Pois é…eu confesso que nunca acreditei nisso. Lá na minha época de estudante, no ensino fundamental mesmo, aprendi que o coco sempre foi rico em gorduras ruins. E que quem queria fazer dieta tinha que baní-lo do cardápio. E nunca achei um estudo que me convencesse do contrário.

A Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (Sbem) e a Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (Abeso) afirmaram que não existem evidências científicas que comprovem o efeito emagrecedor do óleo de coco.

Nessa semana passada, foi a vez da  Associação Brasileira de Nutrologia (Abran) se posicionar contra a prescrição do óleo de coco para fins de emagrecimento.

E não é apenas a não eficácia no emagrecimento que foi comprovada.

Vou voltar nas etapas que citei no começo do texto, agora com a conclusão dos estudos feitos e divulgados:

  • óleo de coco para a pele: esse óleo não possui propriedades antivirais, antibacterianas ou antifúgicas. E ainda piora a pele acneica, quando usado.
  •  óleo de coco para clarear os dentes: funciona apenas como um sabão. Não existem evidências de clareamento. Nenhum dentista se pronunciou, para sabermos se o óleo ainda pode afetar o esmalte e proteção natural dos dentes.
  • óleo de coco para prevenir doença de alzheimer e doenças do coração : não há estudos SÉRIOS ( porque ” qualquer”estudo agente sempre acha…rs) que falem sobre isso.
  • e para emagrecer: não existe NENHUMA ligação de uma coisa com a outra. Alguém um dia disse isso e os outros acreditaram.

    “Hoje, não há suporte científico para dizer que ele traz qualquer benefício”, afirma Ana Lúcia dos Anjos, pesquisadora da faculdade de medicina da Unesp de Botucatu e médica nutróloga da Abran. E, de acordo com Maria Edna de Melo, presidente da Abeso, “o óleo de coco não passa de um modismo”                                                                                                                                                                                                                                                           O presidente da Sbem, Fábio Trujilho, disse que ainda não é possível avaliar se esse tipo de óleo pode fazer muito mal ao organismo humano. Mas que já é evidente QUE NÃO EXISTEM PROPRIEDADES TERAPÊUTICAS. A presidente da Abeso, Maria Edna, aponta estudos feitos que mostram o aumento do colesterol “ruim” em pacientes que consomem o óleo de coco. E que, como o produto contém muita gordura saturada, coloca em risco a saúde cardiovascular das pessoas.

Trujilho ainda completa: ” de forma muito prática, é possível concluir que o óleo de coco serve…pra NADA.”

 

Fontes:

http://www1.folha.uol.com.br.

https://www.noticiasaominuto.com.br

Associação Brasileira de Nutrologia

Associação Brasileira de Endocrinologia e Metabologia