Indica

Silício: conheça os benefícios desse mineral para sua pele!

Por que comer frutos do mar, aveia, milho, arroz, cevada, trigo, cavalinha, frango, miúdos do frango (coração e moela), vegetais, algas, cogumelos ? Além de serem saborosos e saudáveis, eles têm um mineral em comum – silício. Ele faz parte do tecido conjuntivo e é um mineral que garante a flexibilidade e elasticidade dos nossos vasos sanguíneos e da nossa pele. Na pele, sua presença garante boa organização da água nas camadas cutâneas, promovendo sua elasticidade e firmeza. Estudos científicos confirmaram sua ação nos cabelos, melhora da aparência da pele, redução das rugas e melhora da elasticidade.

Vamos entender melhor?

O silício é um mineral presente no organismo humano. À medida que envelhecemos, menor quantidade de silício orgânico fica disponível em nosso corpo. Essa diminuição ocorre, principalmente, na pele e nas paredes das artérias

Os estudos têm demonstrado que a deficiência de silício no organismo humano pode causar numerosas doenças degenerativas, incluindo o mal de Alzheimer e vários processos de envelhecimento de tecidos.

As principais contribuições dos trabalhos científicos sobre o silício apontam a implicação deste mineral no crescimento ósseo, na formação de cartilagens, na síntese de colágeno envolvendo colágeno tipo I, presente na pele, articulações e outros tecidos conjuntivos.

Na pele, o silício desempenha função na estrutura da derme por meio da sua ação na síntese (formação do colágeno) e nas glicosaminoglicanas, este mecanismo é responsável pela qualidade e elasticidade da pele (elastose) e pela formação de rugas. O silício orgânico é estabilizador de radicais livres atuando com antioxidante na prevenção do envelhecimento cutâneo.

No cabelo e nas unhas, favorecem o fortalecimento dos anexos cutâneos através da síntese de colágeno e pelo estímulo dos queratinócitos que são células formadoras de cabelo.

Por orientação da minha dermatologista, eu uso esse suplemento com silício ( silica, em inglês):

silicio

 

Junte-se à discussão

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *