Aventura

Ahhh…o Alasca!! Parte 1: Fairbanks

Sim, nós amamos a Disney e ponto final. Mas quem pensa que viagem com crianças tem que ser apenas para a Disney, se engana totalmente. Aqui em casa, a gente gosta de ousar em nossos destinos. Mesmo que sejam lugares mais comuns, como Nova Iorque, a gente sempre arranja algo diferente e inusitado pra fazer.

Nosso ” caso de amor” com o Alasca começou assim…

O Fábio, meu marido, sempre quis conhecer o estado, devido à vida meio ” misteriosa” do pessoal de lá e, também, por todos os fatos históricos.

Os Estados Unidos compraram o Alasca da Rússia em 18 de outubro de 1867.  O Império Russo passava por uma crise econômica terrível, com sérias dificuldades financeiras para se manter. Valor da compra?  7,2 milhões de dólares. Apenas nos cinquenta primeiros anos de posse, os americanos extraíram riquezas cem vezes superiores a esse valor… Mas o Alasca só se tornou oficialmente estado americano em 1959. E o inglês passou a ser a língua oficial de lá apenas em 1988.

Hoje em dia, os recursos naturais do Alasca contribuem significativamente para a economia dos EUA. Principalmente o petróleo. O Estado tem, também, uma indústria de turismo viável. Isso seria insano?

Aliás, o que vem à sua mente quando o assunto é o Alasca? Provavelmente frio, esquimós, iglus, neve, ursos e mais frio e neve. Tudo isso é verdade.  Mas muito além disso, o Alasca é um dos lugares mais impressionantes do mundo. Tem um imponente e exuberante cenário, ladeado por geleiras do período glacial e uma abundante vida selvagem. Sim… nada se compara ao Alasca.

Uma recente pesquisa do Departamento de Administração de Transportes Marítimos dos Estados Unidos revelou que, depois do Caribe, o segundo destino preferido entre as pessoas que pretendem fazer um cruzeiro marítimo é, pasmem, o Alasca! (fonte: correio.rac.com.br)

Por isso, esqueça as Ilhas Gregas, a costa da Itália e Ibiza. Chegou a hora de entrar numa fria. Rs! E nós entramos nela. A ” fria” mais deliciosa e maravilhosa do mundo!

Nós tínhamos muitas milhas acumuladas da American Airlines. Trocamos uns 3 meses antes.

Passamos um tempo em Nova Iorque e nosso vôo para Fairbanks foi no dia 9 de janeiro de 2017. Chegamos de madrugada. Lá, o fuso horário no inverno é de 4 horas a menos que Nova Iorque e 7 a menos do que São Paulo.

Fairbanks não fica em uma região montanhosa, por isso não se pratica ski por lá. O oleoduto que transporta o petróleo extraído em Prudhoe Bay (norte do Alasca) até Valdez (sul do Alasca) passa ao lado da cidade. Basta dar um passeio de carro que rapidinho ele é avistado.

oleoduto
Essa imagem é no verão. Nós o vimos cheinho de neve e com temperatura de -14 F ( -20C) fora do carro!

 

 

 

 

 

 

 

Ao contrário do que muitos pensam, a cidade tem uma estrututa ótima! Lá é considerado o melhor lugar do Alasca e do mundo para se avistar a Aurora Boreal. Mas isso eu vou contar em outro post.

O local conta com vários hotéis e restaurantes. E o aeroporto tem várias locadoras de carros. Quem já está acostumado a dirigir na neve ( nós já passamos por algumas experiências), não vai ter dificuldades por lá. Só notamos o asfalto um pouco mais escorregadio, devido ao acúmulo de gelo.

Olha só no vídeo!

https://www.youtube.com/watch?v=5G1MkjcLd90&feature=youtu.be

Lembre-se: lá tem neve por todo lado!! E o inverno inteiro! Mas nada que a atenção ao volante e cuidado não resolvam. Os pneus dos carros são apropriados para a neve, dificilmente usa-se correntes neles hoje em dia.

O interessante em Fairbanks é que todos os carros têm um plug e uma tomada. E em todos os lugares têm o outro plug para se ligar a tomada. Enquanto os carros estão desligados, precisam ficar conectados à essa tomada para não congelarem! Olha que interessante esse vídeo que gravei!

https://www.youtube.com/watch?v=E7arSRfdtkg

No inverno, o dias por aqui amanhacem por volta das 10:30hs!!

https://www.youtube.com/watch?v=3HszNP3Y_U8&feature=youtu.be

Em Fairbanks, existe um braço da Universidade do Alasca. Lá no campus, tem um museu da história local, da vida selvagem de lá e de como viviam os esquimós (ou inuits, nome dos membros da nação indígena esquimó que habitam as regiões árticas do Canadá, do Alasca e da Groenlândia). O acervo de objetos, roupas, ferramentas de caça… desse pessoal é muito bacana! Além do lugar onde esse museu fica ser maravilhoso!!

blog 2 blog 3

 

 

 

 

 

No próximo post, contarei sobre a casa que ficamos no meio da floresta, na cidade de North Pole, pertinho de Fairbanks. Nesta cidadezinha fica a casa do papai noel!

Até la!

Junte-se à discussão

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *